terça-feira, 29 de junho de 2010

POLÍTICOS DE TIGELA INTEIRA...




... Porque já estou farto dos de meia tigela!



É uma expressão antiga mas tão actual.
Faço parte dos que ainda acredita que fazer política pode ser uma actividade nobre, pode e deve ser feita com elevação, sem "caceteirismo" e no respeito das ideias diferentes e das diferenças.
O problema que hoje vivemos na política é a quase total falta de ideologia, de modelos, de projectos alternativos de exercício do poder.
Alguém consegue hoje identificar bem o que divide ideologicamente o PSD do PS?
Eu, confesso militante do PSD, não sou capaz de identificar! Nem eu, nem ninguém no seu perfeito juizo!
Ou seja, acabo por ser do PSD por teimosia, por tradição ou porque é aqui que ainda encontro companheiros antigos de outros tempos de política.
É razão suficiente?
Para mim ainda é mas, os mais novos, como se sentirão atraídos para a nobre arte da política?
Alheiam-se da política ou votam nos de "discurso bonito" tipo Bloco de Esquerda!
E este é o problema fundamental da Política em Portugal.
Porque chegámos a este ponto?
Porque a esquerda e a direita se confundiram ou deixaram de fazer sentido, porque o "centrão" é um espaço amorfo e confuso onde se degladiam poucas ideias e muitos interesses!
Mas, no meu entendimento, a razão maior está na invasão do marketing no mundo da política e dos políticos.
Hoje já não é preciso ser.
É preciso parecer.
É preciso parecer sério, é preciso parecer ambientalista, é preciso parecer justo, é preciso parecer culto, é preciso parecer empreendedor, é preciso parecer popular, é preciso parecer erudito, mas... não é preciso ser nada disto!
Esta é a doença da política do século XXI.
De repente não é preciso defender um modelo de sociedade ou de organização, muito menos ter um como referência.
O que é preciso é dizer aquilo que "o povo" quer ouvir.
Não interessa nada se tal é possível de implementar porque o que interessa é ganhar as eleições e ocupar todos os cadeirões disponíveis!
O resto não interessa nada.
Dá-se o dito pelo não dito e todos engolem...
Lamentavelmente a nova geração de políticos (e não me entendam mal porque não estou a falar de idades!) não quer entender este problema e continua a fazer mais do mesmo.
Querem melhor exemplo do que o que se passou nas últimas eleições legislativas?
Um Partido Socialista a mentir com todos os dentes da boca ganhou a um PSD que resolveu fazer uma campanha eleitoral a explicar o que não queria fazer sem dizer uma única palavra sobre o que pretendia efectivamente fazer!

A política no futuro próximo só vai ter sucesso para os que arriscarem defender um projecto.

Conceber um projecto de sociedade e de organização do Estado e partir para a sua defesa junto dos eleitores.
Acima de tudo não ter pressa de chegar ao poder.
Esperar pelo reconhecimento da maioria pela bondade dos projectos apresentados.
Gastar todo o "latim" do mundo para convencer as pessoas e, chegado ao poder, cumprir escrupulosamente cada linha programática.
Claro está que uma atitude destas é muito má, incompatível mesmo, com os séquitos que se juntam ao poder ou ao projecto de poder.
Mas a verdadeira diferença far-se-á aqui.
Ou continuamos a seguir os políticos de meia tigela, ou partimos em busca dos de tigela inteira!


1 comentário:

  1. Eu quero partir em busca dos de tigela inteira!!!
    Mas onde começo a procurá-los???
    Só vejo um sítio - na SOCIEDADE CIVIL - gente anónima, extremamente competente, bem formada, séria e que possa dar o seu contributo pessoal dentro de um espírito de missão. Aqui sim, temos matéria prima...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.