domingo, 28 de julho de 2013

PARTIDOS, DEPENDENTES E… INDEPENDENTES …

Os Partidos há muito tempo que deixaram de ser os representantes dos eleitores na gestão da coisa pública nacional e local.
Como num filme de ficção científica em que a máquina ganha vida e vontade própria, também os Partidos passaram apenas a representar-se a si próprios, que é como quem diz, passaram apenas a representar o conjunto de pessoas que tomaram conta das estruturas partidárias, agilizando-se de lugar em lugar, ora nos governos e nas empresas públicas ora nas assessorias nas câmaras e nas empresas municipais.
O papel dos Partidos enquanto representantes da população deixou de fazer sentido.
Mas, sendo a democracia o sistema menos mau de governo, convém não perder de vista a necessidade de, em cada momento, encontrarmos a melhor forma de lhe dar saúde, frescura, vida. Este objectivo tem norteado os meus actos mais recentes.
Não pretendo afirmar-me como um exemplo, um fora de série, um iluminado, porque tal tenho a certeza de não ser. Mas todos os dias me esforço por ser coerente com as ideias que defendo, sempre com a preocupação de agir e pensar com a ética, com verdade e com seriedade.
Por isso optei por me juntar ao Movimento SerCascais.
Carlos Carreiras defendeu em artigo publicado no Jornal i que os movimentos independentes mais não são do que um conjunto de ressabiados da política que, por não terem lugares se decidiram por se encostarem a outras soluções.
Vale a pena discutir esta tese e ver até que ponto é que é verdadeira ou não passa de uma falácia.
Pode até ser verdade que em alguns casos isso se tenha verificado. Como há muitos casos, entre os quais me incluo, dos que se fartaram de ver o Partido em que militavam demonstrar um total desrespeito pelos seus militantes porque a “máquina directiva” demonstrava uma total incapacidade de perceber a opinião da maioria dos que constituem o Partido.
Afinal onde está o mal? Está nos que, sentindo que o Partido não os representa e respeita condignamente, decidiram procurar uma alternativa de afirmar os seus pontos de vista ou o problema reside efectivamente nas “pessoas” que invadiram os centros de poder partidários e apenas orientam a sua acção para ver perpetuados os seus lugares e as suas influências?
Olhemos para o caso da vizinha Sintra.
Marco Almeida é vice presidente de Fernando Seara em Sintra. A concelhia do PSD decidiu aprovar a sua candidatura à Câmara Municipal de Sintra. A Distrital, porque Marco Almeida não fez parte da facção de Miguel Pinto Luz e de Carreiras na Distrital do PSD, e porque não apoiou Pedro Passos Coelho para a presidência do PSD, foi vetado, e no seu lugar inventam Pedro Pinto que de Sintra só se deve lembrar do mítico “Maria Bolachas”. Por outro lado a mesma Distrital pretende candidatar a Lisboa Fernando Seara, o candidato que por lei já não o pode ser (mas o PSD insiste que o problema só existe se for em Sintra…) e que tem ainda como vice presidente o Dr. Marco Almeida.
Ora se o trabalho de Seara é defensável para, mesmo contra a lei, pretenderem que volte a ser candidato agora a Lisboa, Marco Almeida não serve para ser candidato a Sintra?...
Marco Almeida decide avançar com uma candidatura independente. É ele que está errado? É dele a responsabilidade de “contrariar” a vontade do Partido ou foi o Partido, a máquina partidária, o poder cego e autocrático do PSD que decidiu excluir os militantes de base desta decisão?
Carlos Carreiras, coloca um forte azedume contra os movimentos independentes porque começam a ter uma expressão que põem claramente em causa o exercício autocrático do poder após as próximas eleições e, cúmulo dos cúmulos, não são por si controláveis.
Ter um Partido em que uma boa parte dos seus militantes são neste momento dependentes da folha de ordenados da CMC ou das suas empresas municipais é fácil de controlar. Ter uma composição do executivo camarário dividido entre PSD e PS não é difícil controlar. Carreiras, nos dois últimos mandatos, colocou no bolso quer o Vereador do PCP quer parte dos vereadores do PS pelo que não lhe faltará arte e engenho para o voltar a fazer.
Mas, se se confirmar que a onda independente de Sintra (dizem as sondagens que Marco Almeida lidera as intenções de voto) se está a propagar a Cascais e Isabel Magalhães conseguir aquilo que há um ano só podia ser entendido como uma surpresa impossível em Cascais?
Os militantes do PSD mais “dependentes” estão claramente nervosos. Desconfiam que o provérbio popular “Agosto tem a culpa, e Setembro leva a fruta” possa mesmo querer dizer que o fim do bem bom se aproxima!
Sente-se um ar libertador.
Mas o sucesso ou o insucesso de Cascais está muito dependente de a sua população acordar, perceber o que está em causa, e não deixar de ir votar, conscientemente, no próximo dia 29 de Setembro. 
O nível de abstenção vai determinar se Cascais consegue renascer das cinzas ou se vai continuar a atolar-se em Festas e em dívidas!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.