quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Problema de Moedas? Para mim são…trocos!...


Um exemplo de como se pode deitar dinheiro dos contribuintes pelo cano abaixo...
 Carlos Carreiras desancou o Secretário de Estado Carlos Moedas como nem António José Seguro foi capaz.
Como as notícias diziam logo de manhã na passada quarta-feira, Carlos Carreiras, destacado dirigente do PSD e Presidente do Instituto Sá Carneiro, considerava que “Um membro de um qualquer Governo que tem a 'inteligência' de produzir uma afirmação desta natureza, perante um relatório com este teor, só pode ter uma atitude - abandonar as funções governativas, deixar a política e assumir que aspira a ser consultor técnico”.
Parece-me pertinente fazer alguns juízos de valor sobre esta afirmação e sobre o seu autor.
Analisemos a razão do comentário. Tem Carlos Carreiras razão em estar indignado mas não pelas razões que invoca.
O político deve falar simplesmente verdade e não apenas a verdade ou a parte dela que lhe convenha.
Essa é a moda dos nossos Políticos dos últimos 20 anos, fez escola, e trouxe-nos aos momentos que vivemos…
O que deveria indignar Carlos Carreiras não é o facto de Moedas considerar o relatório do FMI bem feito, o que deveria trazer Carlos Carreiras mal disposto é a confirmação de que este Governo fez-se eleger com um Programa que não tinha  a mais pálida ideia se seria capaz de o fazer cumprir!
Apresentar-se a votos, fazendo um cenário e apontando soluções para as quais não se tem a mais pálida ideia se funcionam, se são ou não uma efectiva solução para os problemas, é trapaça!
Guterres, Durão Barroso e Sócrates fizeram-no, e eu, e muitos outros cidadãos, pareceu-nos, erradamente, que o discurso da verdade era desta…
Não foi!
Enquanto cidadão e militante social democrata, confesso a minha incomodidade.
Mas a reacção de Carlos Carreiras merece ser apreciada por outros prismas.
Mal ou bem, Carlos Carreiras alcandorou-se a um lugar importante na lógica do poder partidário no principal partido do governo. É Conselheiro Nacional e Presidente do Instituto Sá Carneiro.
Pode isso mesmo ser um perigoso sinal para a transparência e a verticalidade política do PSD mas é o que temos!
Ora, não há muito tempo, foi até grosseiro como classificou António Capucho por ter proferido algumas críticas ao governo. Num dos últimos plenários do PSD de Cascais atacou violentamente os “bloggers” que escreviam sobre a Câmara de Cascais e que são militantes do PSD, como é o meu caso, de serem invejosos e traidores por “lavarem a roupa suja” fora das instâncias partidárias.  
Esta situação encerra aqui uma espécie de democracia (bem esquisita por sinal…) em que a utilização da crítica pública só pode ser feita com legitimidade por alguns, porque para os outros já será ilegítimo…
É esta maneira de estar na política que mais me motiva a não “esfriar” a minha indignação e em usar os meios ao meu alcance para desmascarar que isto não serve para a nossa terra!
Precisamos de um líder no município que nos olhe como iguais, que não se considere acima da plebe, com direitos especiais!
Precisamos de um líder no município que nos fale verdade, que nos trate com verdade, que não esteja sistematicamente a dar o dito por não dito.
Precisamos de um líder no município que seja vertical e recto, que não ajuste a verdade como mais lhe convém.
Precisamos de um líder no município que esteja disponível para abraçar como prioridade a resolução dos pequenos problemas, aqueles que nos aborrecem diariamente, os buracos da rua que não foram rapidamente tapados, a tampa de esgoto que não foi subida depois da repavimentação da rua, os apoios financeiros que só acontecem para “algumas colectividades” sem qualquer tipo de critérios objectivos.
Precisamos de um líder no município que sinta que cada euro que gasta não é dele mas dos munícipes que representa, e como tal deve sempre escrutinar se cada euro vai cumprir a resolução das necessidades e anseios da população de Cascais.
Precisamos de um líder no município que se debruce sobre os reais problemas de Cascais e dos seus habitantes e se empenhe nas soluções adequadas  para eles em vez de se aplicar na autopromoção.
Como todos já perceberam, todos estes desejos são impossíveis de alcançar com Carlos Carreiras.
Carreiras é exactamente o oposto.
E a bem de Cascais, tem de ser travado.
Seria bom que fosse o PSD a tomar consciência deste imprescindível acto de idoneidade política mas não acredito que seja capaz…
Que seja outro, ou partido ou movimento independente, mas a seriedade e a sobriedade conseguidas em 2002 com António Capucho tem que regressar a Cascais em 2013!
Doa a quem doer!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.